Era inevitável. Num mundo em que a paranóia é atiçada pela nação mais rica, cedo ou tarde o estado de exceção começaria a se espalhar, buscando se tornar regra…

Entrou em vigor no Japão uma lei que obriga o fichamento de turistas estrangeiros ao entrarem no país. Segundo a Folha de S. Paulo, a nova lei “obriga o registro de dados biométricos de 7 dos 8 milhões de estrangeiros (…) em 27 aeroportos e 126 portos”. Da ficha, que inclui retrato e impressão digital, escapam apenas menores de 16 anos, diplomatas, convidados do governo e moradores permanentes (coreanos e taiwaneses, em geral).

Críticos dizem que o governo nem sequer possui uma estrutura adequada para processar e analisar o volume previsto de informações. Cinqüenta gatos-pingados, entre eles um membro da Anistia Internacional, protestaram contra a medida diante do prédio do Ministério da Justiça japonês. Decerto o protesto será ineficaz, mas não tanto quanto a utilização dessas fichas, aposto.

Anúncios